A despedida de Chang


Um vídeo de Chang a despedir-se, depois do insucesso da sua caução no tribunal sul africano tornou-se viral..

Na passada sexta-feira, a juíza Sagra Subroyen, do tribunal sul-africano de Kempton Park, negou o pedido de libertação sob caução do ex-ministro das Finanças moçambicano Manuel Chang, acusado de fraude e corrupção nos Estados Unidos.





«Conceder a liberdade não seria no interesse da justiça e da sociedade. O arguido permanece detido sob custódia pendente da sua extradição», disse a juíza no decorrer da leitura da sentença, que durou duas horas.


«Este caso tem um impacto significativo nas finanças de empresas, bancos, instituições públicas e sociedades», vincou a magistrada.

Ao proferir a leitura da sentença, a juíza sul-africana considerou ainda que «existe a possibilidade de fuga» do antigo governante moçambicano e atual deputado da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), no poder.

«O facto de ter entregado o passaporte diplomático e pessoal, não significa que a presença do arguido em julgamento está garantida», afirmou.

«

É uma pessoa de influência no seu país, não existe nada que o impeça de entrar e sair sem necessitar de documentos», acrescentou a juíza.



Um agente da polícia sul-africana visitou a proposta estância turística onde pretendia ficar a residir sob fiança, em Malelane, e constatou que dista 95 quilómetros da fronteira com Moçambique, referiu.



A magistrada salientou ainda que em caso de fuga de Manuel Chang para o seu país, «Moçambique não permite a extradição dos seus cidadãos».







Durante a longa sentença, fundamentada com inúmeros casos julgados na África do Sul, Sagra Subroyen fez a radiografia de «uma cabala elaborada», considerando que o arguido «não cooperou com a justiça».



De acordo com o perfil traçado pela juíza sul-africana, Manuel Chang demonstrou ser um indivíduo «conservador, pedante e desconfiado» durante a negociação do seu pedido de caução apesar da aparente «vida de luxo que se recusou a justificar», perante a justiça da África do Sul.



«O arguido disse ter 200.000 randes (12.553 euros) para pagar fiança, que são as suas poupanças», afirmou a juíza. «No entanto, as informações prestadas a este tribunal durante as audiências mostram que (o arguido) dispõe de 1,7 milhões de randes (106.697 euros), incluindo 190.000 randes (11.200 euros) da renda de um apartamento em Maputo e o resto da sua pensão», salientou.



A juíza afirmou que o arguido é acusado pelos Estados Unidos de ter recebido 12 milhões de dólares em subornos – sete milhões pelo "sucesso" dos empréstimos para as empresas públicas Proíndicus e Ematum, e 5 milhões através de duas empresas-fachada em Espanha, e que «não conseguiu provar o motivo de tais transações financeiras».



«Deve explicar e apresentar provas a este tribunal de que as alegações são falsas», salientou, questionando: «Como é que uma pessoa da sua estatura e grande intelecto não consegue sequer recordar os detalhes das visitas a Portugal, onde esteve dois meses antes de ser preso na África do Sul».



No final, em declarações à Lusa, a procuradora do Ministério Público Elivera Dreyer manifestou-se «muito satisfeita» com a sentença.



«Foi uma boa sentença. Estamos muito satisfeitos. Agora, será a audiência do pedido de extradição (dos EUA) no dia 26», disse.



Por seu lado, a defesa sul-africana de Manuel Chang disse à Lusa que o ex-governante moçambicano vai recorrer da sentença proferida pela magistrada sul-africana.



O mesmo tribunal está a analisar também o pedido de extradição para os Estados Unidos, estando a audiência marcada para 26 de fevereiro.



Os EUA acusam Manuel Chang de conspiração para fraude eletrónica, conspiração para fraude com valores mobiliários e lavagem de dinheiro, no âmbito do processo das dívidas ocultas de Moçambique.







O ex-ministro foi detido no dia 29 de dezembro no Aeroporto Internacional O. R. Tambo, em Joanesburgo, a caminho do Dubai, com base num mandado de captura internacional emitido pelos Estados Unidos em 27 dezembro.

veja o vídeo a baixo o vídeo do ex-ministro a despedir-se da família e amigos depois do insucesso na caução.


A despedida de Chang A despedida de Chang Reviewed by Z on fevereiro 22, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário