Segredos sujos: Alfred Musizza, croata assassinado na semana passada estava envolvido com membros da elite política moçambicana bem conhecidos nos meandros do tráfico de influencias


Segundo "Carta", o cidadão croata Alfred Musizza, um engenheiro electrotécnico assassinado na passada sexta-feira, na praceta onde vivia na Avenida Patrice Lumumba, a poucos metros da Escola Secundária Josina Machel, estava bem conectado com membros da elite política moçambicana, alguns bem conhecidos nos meandros do tráfico de influencias em Maputo. Musizza foi assassinado à queima-roupa por três tiros disparados por um homem de pele clara (branco ou de origem árabe), quando eram precisamente 13 horas da passada sexta-feira. O assassino desceu de uma viatura "sedan" da marca Toyota, conduzida por outro homem com as mesmas características de pele, e dirigiu-se ao carro onde Musizza acabara de entrar (um Rav 4 de fabrico recente) para sair de casa, alvejando o croata sem contemplações. As três balas ficaram alojadas no corpo do finado que, socorrido, chegou ao hospital já sem vida.





De acordo com a "Carta", amigos de Musizza disseram ao jornal que ele já estava a ser perseguido. "Há algumas semanas que ele recebeu ameaças", disse uma das fontes. Por essa razão, Alfred Musizza optou por mudar de rotina, havendo dias em que passava a noite numa unidade hoteleira da marginal. Os guardas da praceta onde o assassinato teve lugar disseram que os dois homens, "brancos" na sua caracterização, foram por diversas vezes vistos a rondar as proximidades da praceta, mas eles não levantaram suspeitas. A autópsia ao corpo do croata foi realizada ontem e as démarches para sua transladação para a Croácia já terão terminado.




Segundo revelações avançadas pela "carta", nas últimas semanas, Musizza era um homem vivendo entre lamentações, sobretudo relativamente ao ambiente de negócios. Ele não se coibia de contar algumas peripécias. Diz aquele jornal, que uma delas envolve o Ministério do Interior. Alfred Musizza estava "agastado" com esta entidade alegadamente por que lhe "estavam a bloquear" o licenciamento de uma empresa de explosão e implosão de precisão. Ele contava que tinha conseguido trazer um parceiro estrangeiro de grande calibre e reputação, mas, há mais de 10 meses que a licença não saía e ele era obrigado a constantes idas para o Ministério, mas sem resposta. Para tentar acelerar o processo, Alfed Musizza e seus parceiros terão desembolsado 300 mil de USD a um conhecido "lobista" da praça com influências no aparato securitário e castrense local, mas aparentemente ele não estava a conseguir remover os bloqueios tal como tinha prometido.





De acordo com "carta" seus confidentes não são claros sobre se Musizza estava a tentar reaver o dinheiro adiantado. Ele dizia que o negócio de explosão e demolição de precisão era um investimento de retomo certo, sobretudo na área da mineração, que tem crescido em Moçambique. Em jantares com amigos, ele manifestava um tremendo desencanto com o facto de figuras do "lobby" empresarial serem cada mais impotentes. Também reclamava do facto, de como engenheiro electrotécnico, ter efectuado vários trabalhos de montagem de antenas para uma empresa de telefonia móvel que lhe devia "rios de dinheiro", mas não lhe estava a pagar.

Alfred Musizza era um técnico e empresário estrangeiro que percebeu que para se ter acesso a negócios lucrativos em Moçambique era preciso ter boas conexões na classe política, pagando até valores chorudos de renda a "lobistas" diz o jornal "carta". Segundo aquela pauta, uma fonte da sua amiga disse que o móbil para o seu assassinado só pode ter partido dessa área da sua vida. Várias fontes estranham o facto de seus assassinos não serem "moçambicanos negros", mas crêem que esse foi um "ardil" dos mandantes paia deixarem a percepção de que se tratou de "ajuste de contas entre eles".




Segredos sujos: Alfred Musizza, croata assassinado na semana passada estava envolvido com membros da elite política moçambicana bem conhecidos nos meandros do tráfico de influencias Segredos sujos:  Alfred Musizza, croata assassinado na semana passada  estava envolvido com membros da elite política moçambicana bem conhecidos nos meandros do tráfico de influencias Reviewed by Z on fevereiro 12, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário